domingo, 24 de junho de 2018

Viagem sem Fim


Quando sabemos
que um amigo partiu,
naquela viagem que
não tem mais fim,
sentimos apenas um vazio,
o vazio de quem partiu
e nem se despediu...
Primeiro o silêncio
se faz ouvir,
um silêncio tão grande
que não preenche o vazio,
esse vazio
que se torna tão frio
a medida que vamos percebendo
o quanto essa ausência
nos irá ferir,
como gelo cortante,
um vento uivante:
- O sono permanente
de quem nunca mais
irá acordar,
nem sorrir,
nem chorar,
nem cantar,
apenas...repousar...?


Débora Benvenuti

Você





Você,
que me fez tão feliz,
que nem ao menos eu vi chegar
e já te vi partir.
Você,
que um dia eu sonhei amar
e que me deixas assim,
sem mesmo me explicar,
porque me fez sonhar.
Você,
que me fez chorar
e nem mesmo me deixou falar
das coisas que eu queria ter
e nem mesmo pude dizer.
Você,
que já me falou
coisas que eu queria ouvir
e hoje já não diz prá mim
se devo te esperar
ou desistir.
Você,
que eu amei
e nem mesmo sei porque
partiu sem me dizer adeus.
Você,
que ainda existe em mim,
e que na distância
de mim se despediu
e nem adeus
eu pude ouvir.
Você,
que nunca mais eu vi,
vais continuar a exisitir
até eu não mais conseguir
deixar de pensar em ti...



Débora Benvenuti

Onde nascem os Sentimentos



Onde nascem esses sentimentos,
que sentimos e nem sempre conseguimos
definir ou transmitir?
Como explicar o que não tem explicação?
Que palavras usar quando não sabemos
o que acontece
e o nosso coração emudece?
Em que momento isso acontece?
Quando olhamos e não vemos,
sentimos e não expressamos,
percebemos e não entendemos
e assim nos perdemos,
sem saber que nome dar
a esse sentimento que nos
aprisiona e nos faz pensar,
que estamos navegando em alto mar?
E essas ondas gigantescas
que não nos deixam respirar
e só nos conduzem para o caos
mais obscuro de nossas almas,
onde tudo é confuso
e onde não há o que buscar?
Como explicar um sentimento,
que nem eu mesma sei que nome dar?



Débora Benvenuti

Além do Tempo


Há sempre um momento
em que sentimos
que existe algo
que transcende o próprio
tempo.
Não há explicação
que se compare a
essa emoção,
que nos faz ficar
perdidos,
como um barco à deriva
num mar de agitação.
São ondas gigantescas,
que nos carregam
de qualquer jeito,
sem que tenhamos reação.
É esse tal sentimento,
que chamamos fascinação.
Ele surge tão de repente
e nos encontra ainda desfeitos,
sem saber se é direito,
se é chama ou se é paixão.
Nos incendeia a alma
e nos aquece o coração.
Não se pode dizer
que é ilusão,
são coisas que acontecem
e não podemos dizer não.
É chuva, é sol, é calor
é tudo misturado
numa mesma estação.
E que sensação é essa,
que nos tira a razão?
Nos faz fazer coisas
que não faríamos
em outra ocasião?
À que chamamos isso,
será Amor ou Paixão?



Débora Benvenuti

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Vários Tons de Cinza

O Cinza amanheceu cinzento, mas de uma tonalidade tão marcante que até ele próprio se desconheceu. Olhou ao redor e percebeu que naquele momento, haviam vários tons de cinza, dos quais ele jamais havia visto. Havia cinza no amanhecer, mas não era um tom de cinza qualquer. Era uma tonalidade de cinza fumê, daquele tom que se obtém quando se usa o esfuminho para tonalizar um desenho. E havia cinza também nas janelas das casas. Mas estas cinzas foram deixadas ali pelo próprio tempo, que se encarregara de tornar aquele tom de cinza impossível de se reproduzir. E o Cinza se espalhava rapidamente, como se quisesse penetrar na alma das pessoas. Muitas vezes era isso mesmo que ele queria: tornar o interior das pessoas tão cinzento que até mesmo uma erva daninha ali não se reproduzia. Mas por que o Cinza queria tornar tudo cinza? Talvez nem ele mesmo soubesse. Não que se sentisse menos nobre por ser cinza. Haviam vários tons de cinza que eram nobres e ficavam muito bem em qualquer lugar. Mas era porque ele mesmo se sentia cinza. Por dentro e por fora. Se ao menos fosse cinza só por fora e por dentro houvesse uma luz interior que tornasse o Cinza em cinza prateado. Prateado? Mas por que não pensara nisso antes? O cinza prateado era uma cor perfeita! E pensando assim, o Cinza percebeu que poderia ser tudo o que ele quisesse ser. Poderia ter todas as tonalidades que quisesse e assim poderia mudar o pensamento das pessoas. Tudo o que fosse um cinza desbotado e sem vida, poderia renascer das cinzas e se tornar tão nobre quanto o próprio Cinza, depois de cada amanhecer. Bastava que seu coração fosse nobre, não importando o tom de cinza...


Débora Benvenuti