Mostrando postagens com marcador sentimento. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador sentimento. Mostrar todas as postagens

domingo, 24 de junho de 2018

Onde nascem os Sentimentos



Onde nascem esses sentimentos,
que sentimos e nem sempre conseguimos
definir ou transmitir?
Como explicar o que não tem explicação?
Que palavras usar quando não sabemos
o que acontece
e o nosso coração emudece?
Em que momento isso acontece?
Quando olhamos e não vemos,
sentimos e não expressamos,
percebemos e não entendemos
e assim nos perdemos,
sem saber que nome dar
a esse sentimento que nos
aprisiona e nos faz pensar,
que estamos navegando em alto mar?
E essas ondas gigantescas
que não nos deixam respirar
e só nos conduzem para o caos
mais obscuro de nossas almas,
onde tudo é confuso
e onde não há o que buscar?
Como explicar um sentimento,
que nem eu mesma sei que nome dar?



Débora Benvenuti

Além do Tempo


Há sempre um momento
em que sentimos
que existe algo
que transcende o próprio
tempo.
Não há explicação
que se compare a
essa emoção,
que nos faz ficar
perdidos,
como um barco à deriva
num mar de agitação.
São ondas gigantescas,
que nos carregam
de qualquer jeito,
sem que tenhamos reação.
É esse tal sentimento,
que chamamos fascinação.
Ele surge tão de repente
e nos encontra ainda desfeitos,
sem saber se é direito,
se é chama ou se é paixão.
Nos incendeia a alma
e nos aquece o coração.
Não se pode dizer
que é ilusão,
são coisas que acontecem
e não podemos dizer não.
É chuva, é sol, é calor
é tudo misturado
numa mesma estação.
E que sensação é essa,
que nos tira a razão?
Nos faz fazer coisas
que não faríamos
em outra ocasião?
À que chamamos isso,
será Amor ou Paixão?



Débora Benvenuti

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Noite Desfigurada








Durante muito tempo te busquei,
e até pensei que houvesse te encontrado,
mas percebi que esse amor que comigo trago,
não é o amor por mim acalantado.
É do amor que me alimento
e tenho percebido apenas o sofrimento,
como resposta aos meus sentimentos.
Onde está o Amor?
procuro-te e não te encontro.
Apenas te percebo se delineando
no horizonte perdido dos meus sonhos.
E quando penso que te encontro
de mim te afastas na neblina densa
que meus olhos embaça
e que me impede de te dar o meu abraço.
É a noite desfigurada,
onde apenas as almas penadas
se perdem num longo e penoso
arrastar de sonhos dolorosos.
Onde está o Amor?
de ti me despeço mais uma vez
e continuo nessa busca incessante,
até a noite encontrar o dia
e novamente nos meus sonhos
eu puder ouvir a melodia
desse amor que aumenta a cada dia...



Débora Benvenuti