BENVENUTI - BEM - VINDO

DV005A

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Sem pensar em nada






Já pensei em não pensar em nada,
Mas em nada nunca deixo de pensar.
O pensamento me dá asas,
Mas as asas às vezes me fazem cansar.
Planejo infinitos voos,   
Na esperança de te encontrar,
Mas quanto mais eu penso,
Mais eu penso em não pensar.
Como o voo da gaivota,
Lá do alto fico a te fitar.
E quanto mais alto eu voo,
Mais triste fica o meu pensar.
Penso no que tu pensas,
E o tempo todo  fico  a divagar.
Se o amor que eu sinto é seu por inteiro,
Ou se por inteiro é o amor que pensas me dar.
Minhas asas já não suportam mais
Ficar tanto tempo sem viajar.
Se me perco nos meus pensamentos,
Fico sem saber o que pensar.
E sem pensar em nada,
Fico aqui a te esperar.



Débora Benvenuti

sábado, 12 de julho de 2014

Presságios







Meu avô foi um grande contador de estórias. Ele reunia os netos todos ao redor dele e nos contava estórias de assombração. Uma noite, em que estávamos ouvindo um destes “causos”,no momento em que ele dizia que alguém batia à porta, ouvimos três “toc-toc”. Pensamos que fosse o nosso avô que havia batido na mesa, sem que percebêssemos. Mas em poucos segundos, ouvimos novamente as mesmas batidas. Meu avô pediu que alguém fosse ver a porta, mas nenhum de nós quis ir. Ficamos nos olhando, apavorados e dizíamos uns para os outros: vai você e o outro dizia: eu não e assim um empurrava para o outro a difícil façanha de abrir a porta. Os toques se repetiam e então eu fui, pé ante pé, espiar  pela cortina da porta. Era uma assombração...? Claro que não. Era apenas o noivo da minha tia que vinha buscá-la. Respiramos aliviados. Mas na hora de voltarmos para a casa, foi uma correria só. Todos apavorados com as estórias do avô. Muito tempo depois, minha mãe nos contou que meu avô era vidente e que todas as estórias que ele nos contava, eram verdadeiras. Na época em que ele trabalhava, havia exercido a função de delegado de polícia e em muitas noites, precisava sair para resolver algum problema. Ele nos contou que certa vez, em uma noite muito escura, ele passava em frente ao cemitério e viu um homem montado em um cavalo branco, sair e o acompanhar por um longo tempo, sem nada falar. Cavalgava ao lado dele. Depois, em uma encruzilhada, o cavaleiro desapareceu. Desde essa época, que eu sou apaixonada por estes contos de mistérios. E acredito que tenha herdado dele, não a vidência, mas a sensação de que algo está para acontecer, sem que ao certo eu saiba o quê. Tem coisas que eu gostaria de fazer e não faço. Mesmo sabendo que precisava fazer. Tive essa sensação várias vezes. Ao me despedir da minha mãe, que ficou hospitalizada na noite em que faleceu, eu quis dar um beijo nela, mas não consegui. Apenas disse a ela que viria buscá-la no dia seguinte. Vi alguma coisa nos olhos dela, que me deram uma estranha sensação. Algo que eu não queria interpretar, mas lembro até hoje e me arrependo de ter negado a ela esse gesto tão simples. Apenas toquei nas mãos dela ao me despedir. No outro dia, fui buscá-la, como havia prometido, mas foi apenas para acompanhá-la até a sua última morada. Algum tempo depois, eu estava na cozinha do meu Cyber Café, e tive uma estranha sensação: olhei para o lado e vi dois pares de pernas, do joelho para baixo, descalços, passar de uma sala e atravessar a parede do banheiro. Eu sabia que era ela, porque havia partido sem calçados. A enfermeira que cuidava dela, insistiu que não era necessário. Pois ela me apareceu assim, para que eu soubesse que era ela. No mesmo momento, me ajoelhei onde a vi passar e fiz uma oração por ela. Contei para os meus filhos e eles me disseram que também tinham visto a mesma coisa. Pedi a um médium que a incluísse nas orações e depois disso, nada mais eu vi. Mas fiz a mesma coisa com o meu ex-marido. Ele viera para a formatura da nossa filha e na manhã em que foi embora, do meu quarto eu ouvi ele dizer aos meus filhos que me deixava um beijo. Eu não sei por que não quis me levantar e me despedir dele. O fato é que dois meses depois, ele também se foi. Mas sei que está por perto e quer me dizer alguma coisa, porque várias vezes o ouvi falar ao meu ouvido, não quando estou dormindo, mas naquelas horas vazias da noite em que se ouve só o silêncio. Senti essa mesma sensação, quando perdi meu irmão. Éramos muito unidos e durante vários anos eu senti a mesma coisa que ele sentiu, quando teve um ataque cardíaco.
No exato momento em que ele partiu, eu estava em frente a um espelho, no quarto da minha mãe e percebi que o quarto havia ficado gelado, de repente. Olhei o relógio dele, que estava em cima da cômoda e vi que havia parado às 11 horas da manhã. Alguns minutos depois, tocaram a campainha para avisar que ele havia partido. Muitos anos se passaram, até que eu entrei em contado com uma senhora que psicografava mensagens. Ele me deixou uma mensagem muito bonita, a qual eu publiquei, em vídeo também e chamei de “Mensagem de Adeus”.
http://colchaderetalhos13.blogspot.com.br/2012/05/mensagem-de-adeus.html?view=snapshot
Depois que li a mensagem e soube que ele era meu anjo protetor, aquela sensação de que alguém tocava o meu ombro, nos momentos em que estava só, nunca mais aconteceu.


Débora Benvenuti

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Um dia de cada vez



Um dia, quando ainda era muito jovem, eu tive muitos sonhos. Queria muito saber como seria meu príncipe encantado. Lia muitos contos de fada e viajava na imaginação. Depois de muitos anos, quando eu menos  esperava, encontrei um homem com quem me casei e tive dois filhos. Eu os chamei de Larissa e Evan Noah. E fui vivendo, um dia de cada vez. O príncipe não era mais príncipe e eu acabei ficando sozinha. Estou narrando estes fatos, para que você, um dia os possa ler e saber quem foi a sua avó. Eu ainda não sei se você será uma menina ou um menino, mas isto não importa. O que quero  te dizer é que a tua avó foi uma grande sonhadora, que um dia resolveu contar a estória da vida dela e desde esse dia, não parou mais. É claro que você vai ler muitos poemas (e tenho certeza de que vais gostar), pois foram os momentos vividos por esta tua avó, que deseja viver muitos e muitos anos para te ver crescer e ser uma pessoa linda por dentro e por fora. Sei que você nunca conhecerá teus avôs, porque eles partiram muito cedo, mas tenho certeza que eles estarão guiando os teus passos, por onde quer que andares. Mas terás duas avós, que estão muito felizes com a tua chegada. Estamos torcendo para que sejas um bebê lindo e que venha com muita saúde. Não sei se terei tempo de ver você lendo estas palavras, mas onde quer que eu esteja neste momento, estarei segurando a tua mão com todo o amor e te guiando pelos caminhos que terás que trilhar. Teus pais se chamam Joe e Larissa.
                            Com amor,




Débora Benvenuti

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Aprendendo a ser Avó




Não faz muito tempo que eu me preparei para ser mãe e esse tempo passou tão depressa que nem tive tempo de pensar em ser avó. Mas as coisas acontecem tão depressa, que ainda não me caiu a ficha. Quando a minha filha chegou em casa, me dando os parabéns, eu logo fiquei imaginando que ela havia sido promovida ou passado em algum concurso. Custei a entender o que ela queria dizer. É claro que ser avó eu sabia que um dia seria, mas esperava que fosse num futuro muito longínquo. Estou completamente sem saber o que fazer. Exatamente quando descobri que estava grávida. Parece que um turbilhão de emoções se apropriam do nosso ser e ficamos sem conseguir pensar direito. Não sei o que faço primeiro. Até esqueci que criei dois filhos sozinha. Terei que aprender tudo novamente. Só que desta vez, as preocupações vem em dose dupla. Fico o tempo todo pensando se a minha filha está se cuidando direito, se não está comendo nenhuma coisa que possa fazer mal ao bebê e assim os dias vão se passando. Sou marinheira de primeira viagem, ou melhor dizendo, avó de primeira viagem. A melhor coisa que tenho no momento é a internet, a qual posso consultar a qualquer hora do dia ou da noite, coisa que não tinha quando estava grávida dos meu filhos. Isso até me deixa mais tranquila, embora as preocupações continuem a ser as mesmas. Um bebê, sempre será um bebê, diferente de todos os outros. Será único, mas terá uma avó sempre presente, se Deus assim o permitir.



Débora Benvenuti

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Aprendendo a ser Mãe





Não existe nenhuma cartilha ensinando como ser “Mãe”, porque nem todas as mães são iguais, por mais que se pareçam. Este é um aprendizado longo e eterno e você vai ter que aprender sozinha, como eu aprendi. Não é fácil, mas também não é difícil. Só tens que pensar agora neste ser indefeso que carregas no teu ventre. Ele é fruto de um momento de amor e como os momentos seguintes, deve ser o motivo maior das tuas preocupações, porque você agora recebeu o presente mais precioso que Deus poderia dar a uma mulher: o dom de ser Mãe. Não são todas as mulheres que recebem esta dádiva. Muitas fazem o impossível para se tornarem mães e não conseguem. Portanto, minha filha, pense sempre em primeiro lugar nesse bebezinho lindo que agora já podes chamar de filho. Pense nele em todos os momentos, porque ele é parte de você e é o maior tesouro que poderias receber. Um filho é para sempre e é a certeza de que você viveu a plenitude do amor em todo o seu significado. Eu vou ser avó. É a primeira vez que escrevo essa palavra. Preciso me acostumar com ela. Só desejo que a tua gestação seja plena de saúde e alegria e saibas desde já, que esse bebê vai ser iluminado e dar muita alegria a todos nós.





Débora Benvenuti

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Estrada sem fim



É uma longa estrada
Pela qual caminho há tanto tempo.
Não sei ao certo o que procuro,
Só sinto que o cansaço me tortura.
É uma estrada sem fim,
Onde o começo eu desconheço,
E mesmo assim, insisto em prosseguir.
Sei que em algum lugar alguém me espera,
Mas eu já não sei aonde ir.
Há sempre dois caminhos,
Mas qual deles escolher...?
Se por um caminho eu prosseguir
E por ele não poder mais voltar,
Que direi ao destino
Quando ele me encontrar?
Se a escolha foi minha,
Do que estou a me questionar?
E se tivesse escolhido outro caminho,
Teria desistido de procurar?
O que existe ao final da estrada,
Se a estrada for só um caminho?




Débora Benvenuti

terça-feira, 24 de junho de 2014

Folhas ao vento




Direi ao vento a todo o momento,
as palavras de amor que nunca falei
e talvez você, onde estiver,
as possas ouvir de uma outra mulher...
Então saberás,
que essas mesmas palavras
jogadas ao vento
é um triste lamento
que se perderam no tempo do meu pensamento.
São palavras sussurradas com tanta emoção
que ainda fazem eco no meu coração.
E tu as dissestes com convicção,
e isso me faz pensar como é triste a solidão,
de quem acreditou nessa suave canção
que embala os meus sonhos,
quando adormeço,
com a tua imagem no meu coração.



Débora Benvenuti

sábado, 14 de junho de 2014

Sem tempo para dizer... Adeus!



Naquela noite em que nos conhecemos,
Havia uma aura de magia no ar.
Eu não te conhecia,
Mas já sabia o que para mim você seria.
Assim que te vi chegar,
Alguma coisa aconteceu
E sem mais pensar
Você comigo veio falar.
Era como se já nos conhecêssemos
Há muitos anos e naquele momento
Em ti comecei a confiar.
Convidastes-me para dançar e em amor
Naquele instante começamos a falar.
Depois disso,
Nossos destinos se uniram
E dissemos sim,
Para uma nova vida começar.
No princípio, o amor era imenso,
Mas com o tempo,
O desgaste foi eminente.
A tristeza invadiu meu coração
E transformou aquele amor
Em um triste adeus para nunca mais voltar.
E separados ficamos por longos anos,
Tendo apenas os filhos em quem pensar.
Depois disso, o silêncio.
Você partiu sozinho como sempre viveu.
Quem dizia que te amava,
Naquele momento, desapareceu.
Éramos novamente você e eu.
Não havia mais música para dançar.
A noite toda eu fiquei a te velar,
Para que o teu corpo inerte,
Pudesse descansar.
Eu cheguei sem tempo
Para dizer... Adeus!



Débora Benvenuti

terça-feira, 3 de junho de 2014

A casa da árvore



Existe uma casa pequenina
no sopé de uma colina
onde se esconde um menino
quando quer ficar sozinho.
Fica em cima de uma árvore
e só entra lá quem por ele for convidado.
É que a casinha é pequenina,
mas seus sonhos são enormes,
por isso o pobre menino
sonha sonhos todo o dia.
Já estudou,
fez faculdade,
é um homem letrado,
fala várias línguas
e é muito disputado,
no mercado em que trabalha.
Entre as mulheres que o conhecem,
poucas são as que merecem
entrar na casinha pequenina.
É que ali só pode entrar
quem o conhece de verdade
e por mais que ele disfarce,
teve amores e dissabores.
Em alguns momentos,
é tão carente
e fala tão docemente
que às vezes penso
termos vivido
em outras vidas
um sonho parecido,
ou será só ilusão,
essa sensação que me despertas,
quando falamos juntos as mesmas coisas,
que sabemos terem sido ditas
em outra ocasião que não esta?



Débora Benvenuti


quinta-feira, 22 de maio de 2014

Des-ilusões



1.- Já acreditei no amor e só tive dissabor,
     Por acreditar em alguém que não soube me dar valor;
2.- Sonhei que ser feliz fosse um sonho colorido,
     Mas percebi que nem todo o sonho tem as cores do arco-íris;
3.- Esperei por você uma noite inteira,
     Amanheceu e percebi que nunca serias meu por inteiro;
4.- Nem sempre me falastes a verdade,
     Tudo o que dissestes foi só falsidade;
5.- Desejei ser tua eterna namorada,
      E sonhar com isso me deixou apaixonada,
     Mas você preferiu partir quando ainda era madrugada;
6.- Estive a tua espera e isso se durou uma eternidade,
     Ma você sempre me deixou sem me dizer nada;
7.- Dizias que me amavas e eu sepre acreditava,
     Mas descobri que com outras, de amor tu falavas;
8.- Só me procuras quando estás só,
     Por isso não tenho mais tempo de brincar com sentimentos;
9.- Se voltares a me encontrar,
     Lembre-se que já me dissestes as mesmas coisas, muitas vezes.
     Se eu não acreditar, deixes de me procurar;
10.- Pensei que o amor fosse um sentimento verdadeiro,
     Mas você nunca se doou por inteiro.



Débora Benvenuti